Despacho n.º 342-C/2015

Celebração de contratos de trabalho para os Serviços de Urgência

INFORMAÇÃO SOBRE DESCANSO COMPENSATÓRIO

irá esta ACSS a elaborar circular informativa no sentido de alertar todos os
serviços para o retomar da plena vigência do regime do descanso compensatório
O Conselho Nacional da FNAM e a Direcção do Sindicato dos Médicos da Zona Sul vêm dolorosamente divulgar a notícia do falecimento da sua dirigente Pilar Vicente.
Ainda estudante de medicina e já envolvida, em plena ditadura, no movimento estudantil contra um regime que não perimitia as mais elementares liberdades, a Pilar Vicente foi presa pela polícia política, a PIDE.
Ao longo da sua vida manteve uma permanente e activa intervenção cívica e política em defesa dos ideais democráticos, nunca enveredando pelos caminhos mais fáceis e enfrentando sempre com coerencia e empenhamento os obstáculos que em cada momento surgiam.
Foi uma lutadora sempre inconformada, combatendo com coragem as injustiças e as prepotencias dos poderes estabelecidos, e na sua acção sindical foi uma consequente defensora das Carreiras Médicas e do Serviço Nacional de Saúde, desenvolvendo uma intensa actividade reivindicativa e negocial, mesmo já bastante doente.
A Pilar Vicente constitui um dos exemplos de cidadãos que se podem considerar imprescindíveis.
O seu exemplo estará presente em todos nós.
 
Coimbra, 28/11/2014
A Comissão Executiva da FNAM
            

Sessão Comemorativa do Dia dos Direitos Humanos no dia 10 de Dezembro, às 18h, no Museu do Oriente (Lisboa)

Convite (texto)
Convite (imagem)

A contratualização nas USF e nos CSP para 2015

As organizações signatárias deste manifesto, consideram da maior importância assumir publicamente a defesa dos princípios fundamentais da contratualização em saúde

Ciclo Temático: Riscos Psicossociais e Direitos Laborais, 26, 27 e 28 de Novº, no ISEG, Lisboa ( ver anexos)

 

Ponto da situação:
O Ministério da Saúde ignora os problemas que se acumulam no SNS!!!

... a disponibilidade do Ministério da Saúde para responder aos problemas que se acumulam e às questões colocadas continua a ser quase nula…

 

Um símbolo da incompetência e impunidade ministerial

os grandes hospitais não conseguem suportar o número de doentes internados, os recursos humanos são insuficientes e os doentes chegam a passar um dia em transportes (ambulâncias) para chegar ao seu hospital de referência!

A grave situação da saúde no Algarve exige uma nova política

Nos últimos 3 anos a situação da saúde no Algarve atingiu aspectos muito preocupantes como consequência directa de uma política governamental dirigida para a destruição gradual do SNS

FNAM exige negociação sindical do projecto ministerial de alteração do Internato Médico

Achamos estranho e, sobretudo, preocupante que o Ministério da Saúde, ao fim de várias semanas, ainda não tenha apontado uma data previsível para iniciar o correspondente processo negocial.

As contas e os contos dum relatório do Tribunal de Contas

não podemos deixar de manifestar desde já a nossa perplexidade com algumas das conclusões apresentadas e recomendações de incidência política (!) aí contidas.

Conferência de Imprensa, 4 de Agosto, Algarve
Por mais e melhores serviços públicos de saúde e de qualidade no Algarve

Este Governo desencadeou nos últimos três anos a mais feroz luta ideológica contra SNS.
Contrariando a afirmação do Ministro da Saúde em 2011 que era possível proceder a cortes e manter a qualidade dos serviços, eis a realidade:

Na sequência do início das negociações relativas ao estabelecimento de um Acordo-Empresa com a Santa Casa da Misericórdia, na continuidade das negociações com o Hospital de Cascais e no seguimento da linha de actuação pautada pelo acordo conseguido com o Hospital de Braga (PPP – Parceria Público-Privada), o SMZS tomou a iniciativa de propor a abertura da mesa negocial com os Hospitais de Loures e de Vila Franca de Xira (ambas PPP´s).

O SMZS tem vindo a denunciar de forma sistemática e há mais de um ano, junto do Ministério da Saúde e das devidas instâncias, as sucessivas situações problemáticas que ocorrem no Hospital Garcia de Orta: a saída de grande número de profissionais de saúde: médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e técnicos; o recurso a empresas de contratação de mão-de-obra médica (ditos tarefeiros); e o encerramento de serviços e a constante falta de material, como é exemplo o encerramento abrupto do Serviço de Ginecologia.
LER COMUNICADO

Carta ao Ministro da Saúde

Carta ao Secretário de Estado Adjunto da Saúde

Ofício enviado às ARS's sobre Comissão de Acompanhamento Externo da Contratualização das USF's

 

Sobre os concuros para Assistentes Graduados Sénior

Que os concuros para Assistentes Graduados Sénior prvejam a manutenção do regime e horário de trabalho que os médicos vêm praticado, só o alterando quando seja essa a sua vontade.