. Comissão da «felicidade»

Comissão da «felicidade»

 

Comissão da «felicidade» Agora sim! Vamos ser todos felizes e trabalhar com mais alegria!

Por despacho!

A Sra. Secretária de Estado da Saúde anunciou, com alegria, aliás como se impunha, a criação dum grupo de trabalho só para «criar condições que promovam o bem estar dos trabalhadores do SNS».

Que maravilha! Agora tudo vai funcionar melhor e vamos todos ser mais felizes!

Mas, Sra. Secretária de Estado, para quê mais grupos de trabalho?

Poupava tempo e dinheiro se ouvisse os médicos.

Eles sabem bem o que é necessario para atingir esses objetivos a que se propõe o referido grupo de trabalho.

O diagnóstico está feito. Tem dúvidas? Pergunte ao seu médico.

Falta é a terapêutica. Sabe porquê? Porque esta, infelizmente, não está na mão dos médicos.

Dê-nos mais recursos, humanos e materiais, para que ao fim do dia os médicos não cheguem extenuados a casa e possam ainda ter tempo para si próprios e suas familias – e todos serão mais felizes!

Dê-nos mais recursos, humanos e materiais, para que os doentes possam ser atendidos com mais dignidade e ainda maior qualidade – e aumentará a motivação e o bem estar!

Dê-nos melhores salários e a possibilidade de uma progressão devida na carreira, com a contagem do tempo que já trabalhamos – e estará a aumentar a nossa motivação e qualidade!

Dê-nos concursos a tempo e horas – e teremos profissionais nos locais certos, no tempo certo, sem excesso de trabalho – e todos ficarão mais contentes!

Dê-nos um sistema informático «amigo» dos médicos e dos doentes – e evitaremos o desespero e o bournout!

Dê-nos a possibilidade de termos mais tempo para os nossos doentes, com listas mais pequenas e melhor dimensionadas

Dê-nos possibilidade de trabalhar com autonomia e responsabilidade

Tire-nos os gestores incompetentes!

Tire-nos as burocracias e grilhetas desnecessárias!

Para quê mais grupos de trabalho e comissões?

Nós não queremos mais comissões.

Queremos resoluções!

Nós queremos soluções!

E seremos todos muito mais felizes!
 

Rosa de Fátima Ribeiro
 
 
© 2018 FNAM - Federação Nacional dos Médicos