Afinal, onde estão os reais conflitos de interesses e a promiscuidade de vínculos?

Por que razão o Ministério da Saúde comunica com as chefias intermédias através da indústria farmacêutica e não através da sua própria cadeia?